Notícias

Workshop – First Aid to Cultural Heritage in times of emergencies

Posted by on Nov 14, 2019 in Destaques, Eventos, Notícias | 0 comments

Workshop – First Aid to Cultural Heritage in times of emergencies

O workshop “First Aid to Cultural Heritage in times of emergencies”, dirigido por Samuel Franco Arce, membro do ICOM Guatemala, AVICOM e ICCROM, será realizado nos próximos dias 11 e 12 de Dezembro no Museu Nacional de Arqueologia e no Museu Nacional de Etnologia, respectivamente. O workshop tem um custo de 10€ para um dia, ou 20€ os dois dias para os membros do ICOM, sendo que os valores para não membros são de 20€ para somente um dia ou 30€ para os dois dias. Para obter mais informações ou para as inscrições os interessados deverão contactar a organização através do e-mail: geral@mnarqueologia.dgpc.pt.

A ação de formação “First Aid to Cultural Heritage in times of emergencies”, visa promover a  sensibilização e iniciação ao tema, correspondendo a modelo formativo adotado pelo ICCROM. No primeiro dia referir-se-ão as questões gerais de primeiros auxílios em caso de crise ou emergência nos museus e no segundo, proceder-se-á ao desenvolvimento das mesmas no casos específico do património e dos arquivos audiovisuais. Será também feita uma introdução geral à situação particular portuguesa a cargo de Isabel Raposo Magalhães.

Cartaz do workshop

Samuel Franco Arce, engenheiro de som, é Presidente do ICOM Guatemala e foi Presidente do ICOM América Latina e Caraíbas até à recente Conferência geral do ICOM em Quioto. É membro do Comité Permanente do ICOM sobre Gestão de Riscos de Desastres. É membro Comité Internacional de Audiovisual e Novas Tecnologias do ICOM. do Escudo Azul e coordenador dos respetivos programas na Guatemala. É membro do board do Comité da UNESCO de Memória do Mundo. É formador certificado pela UNESCO, ICCROM e Smithsonian Institution no domínio dos Primeiros Socorros em Casos de Emergência. Foi fundador e é diretor da Casa K’ojom, Centro Cultural e Museu do Património Intangível, situada em Antigua, Guatemala.

Sobre a proposta da nova definição de Museu

Posted by on Set 10, 2019 in Destaques, Notícias | 0 comments

Sobre a proposta da nova definição de Museu

Na última 25ª Conferência Geral do ICOM, realizada entre 1 e7 de Setembro de 2019, em Quioto no Japão, foi a votação uma nova proposta de museu, a qual não foi aprovada e foi adiada por um ano a discusão deste tema estruturante, que tem implicações políticas a nível internacional.

Desde a criação do ICOM, em 1946, a definição de museu foi evoluindo por refletir as profundas mudanças da sociedade e as realidades da comunidade museológica internacional. Em todos os lugares do mundo, o Conselho Internacional de Museus – ICOM oferece uma estrutura comum para museus, um fórum para o debate profissional e uma plataforma para questionar e celebrar a herança e coleções de museus e instituições culturais. A definição comum do museu constitui a espinha dorsal do ICOM como uma organização mundial.

Segundo os Estatutos do ICOM, aprovados pela 22ª Assembleia Geral, Viena, a 24 de agosto de 2007:

“O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite.”

Na última conferência trienal do ICOM, realizada em Milão, em 2016, foi designado um novo comité permanente para estudar e apresentar uma nova definição. O Comité sobre a Definição de Museu, Perspectivas e Possibilidades (MDPP, 2017-2019) tinha como objetivo oferecer uma perspectiva crítica sobre a atual definição e apresentar uma definição com abrangência internacional. Este comité conciliou um amplo diálogo e contributos de todos os membros do ICOM de todo o mundo e em Julho deste ano apresentou uma definição de museu para ser submetida a votação:

“Os Museus são espaços democratizantes, inclusivos e polifónicos, orientados para o diálogo crítico sobre os passados e os futuros. Reconhecendo e lidando com os conflitos e desafios do presente, detêm, em nome da sociedade, a custódia de artefactos e espécimes, por ela preservam memórias diversas para as gerações futuras, garantindo a igualdade de direitos e de acesso ao património a todas as pessoas.

Os museus não têm fins lucrativos. São participativos e transparentes; trabalham em parceria activa com e para comunidades diversas na recolha, conservação, investigação, interpretação, exposição e aprofundamento dos vários entendimentos do mundo, com o objectivo de contribuir para a dignidade humana e para a justiça social, a igualdade global e o bem-estar planetário.”

Logo após a apresentação desta definição, em pleno período de verão, e a menos de dois meses de ser submetida a votação, o ICOM Portugal não se reviu nesta definição. O processo de recolha de definições foi plenamente democrático mas depois do Comité responsável ter chegado a uma definição final não foram consultados os comités nacionais e internacionais, nomeadamente o ICOFOM, de formação em museologia. Acima de tudo, pareceu-nos mais uma Visão do que uma definição.

Assim, juntámo-nos ao apelo do ICOM Europa para que a definição fosse adiada, depois de devidamente trabalhada com os vários comités da organização. A 12 de Agosto foi enviado pelo ICOM Europa um pedido de adiamento para a nova definição, subscrito pelos seguintes comités:

Comités Nacionais:

Argentina | Arménia | Áustria | Bélgica | Bosnia – Herzegovina | Canadá | Chile | Croácia | Eslováquia | Espanha | França | Geórgia | Alemanha | Grécia | Itália | Irão | Irlanda | Israel | Letónia | Lituania | Polónia | Portugal | República Checa | Russia | Suiça | Turquia | Ucrania

Comités Internacionais:

CECA (Educação e Ação Cultural)| DEMHIST (Museus Residências Históricas)| UMAC (Museus e Coleções Universitárias)| ICMAH (Museus com coleções de Arqueologia e História)| ICOFOM (Museologia)| ICOMON (Museus do Dinheiro e Bancos)| ICTOP (Formação)

Até à nova Assembleia Geral Ordinária, a realizar em Junho de 2020 em Paris, a definição de museu será discutida com as comissões nacionais e comités internacionais.

José Alberto Ribeiro

Presidente do ICOM Portugal

Controlo de pestes com nitrogénio – Comunicado

Posted by on Ago 26, 2019 in Destaques, Notícias | 0 comments

Controlo de pestes com nitrogénio – Comunicado

A direcção da Comissão Nacional do ICOM, alertada para a aprovação pela UE de legislação que dificulta a utilização de práticas de controlo de pestes utilizando nitrogénio, envidou esforços para associar-se à resolução da questão. A entidade responsável pela gestão deste tema é a Direcção Geral de Saúde, com quem reunimos em Julho passado, acompanhados de representantes do Instituto de Conservação /DGPC e da Biblioteca Nacional de Portugal; o ANTT/DGLAB associa-se à preocupação e à discussão em curso.

Neste sentido, divulgamos o comunicado emitido pelo ICOM e pelo ICOMOS, ao qual o ICOM Portugal se associa.

O tema será debatido em Quioto e a direcção continuará a informar do desenvolvimento dos esforços sobre o tema.

O comunicado está disponível no seguinte link (PDF)

Nova definição de Museu

Posted by on Ago 16, 2019 in Destaques, ICOM Portugal, Notícias | 0 comments

Nova definição de Museu

A próxima  Conferência Geral do ICOM realiza-se de 1 a 7 de Setembro próximos em Quioto, no Japão, com Assembleia Geral marcada para o último dia de trabalhos.

Os participantes foram igualmente convidados a participar da Assembleia Geral Extraordinária que terá lugar a 7 de Setembro, para debater e votar uma proposta de nova definição de museu. A definição proposta pode ser consultada aqui.

Não havendo ainda uma tradução oficial, por motivos óbvios, o ICOM Portugal deixa abaixo uma tradução do texto original:

Os Museus são espaços democratizantes, inclusivos e polifónicos, orientados para o diálogo crítico sobre os passados e os futuros. Reconhecendo e lidando com os conflitos e desafios do presente, detêm, em nome da sociedade, a custódia de artefactos e espécimes, por ela preservam memórias diversas para as gerações futuras, garantindo a igualdade de direitos e de acesso ao património a todas as pessoas.
Os museus não têm fins lucrativos. São participativos e transparentes; trabalham em parceria activa com e para comunidades diversas na recolha, conservação, investigação, interpretação, exposição e aprofundamento dos vários entendimentos do mundo, com o objectivo de contribuir para a dignidade humana e para a justiça social, a igualdade global e o bem-estar planetário.

A History of Museology – Publicação do ICOFOM

Posted by on Jun 19, 2019 in Destaques, Notícias | 0 comments

A History of Museology – Publicação do ICOFOM

Alertamos todos os membros do ICOM Portugal para a publicação intitulada “History of Museology – Key authors of museological theory”, publicada pelo ICOFOM – Comité Internacional para a Museologia do ICOM, que apresenta o resultado de um projecto de cinco anos liderado pelo seu vice-presidente, Bruno Brulon Soares que é também editor desta publicação.

A publicação tem contributos muito interessantes dos seguintes autores: Ana Cristina Valentino, Anita Bharat Shah, Anna Leshchenko, Bruno Brulon Soares, Denis Gabriel Limoeiro, Eiji Mizushima, François Mairesse, Jan Dolák, Mónica Gorgas, Suzanne Nash, e Yun Shun Susie Chung.

São abordados os contributos importantíssimos das obras de Georges Henri Rivière, Judith Spielbauer, Hugues de Varine, André Desvallées, PetervanMensch, Mathilde Bellaigue, entre muitos outros.

A publicação está disponível online de forma gratuita.