Notícias

Gestão de Riscos em Património Cultural. Curso de Formação.

Posted by on Mar 8, 2022 in Destaques, ICOM Portugal, Notícias | 4 comments

Gestão de Riscos em Património Cultural. Curso de Formação.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS – 14.03

ONLINE – PLATAFORMA ZOOM

7 SESSÕES, 22 DE MARÇO A 12 DE ABRIL 2022

INSCRIÇÃO obrigatória (até 20 de março):

info@icom-portugal.org

PREÇO: 25,00 euros (sócios do ICOM) / 50,00 euros (não sócios).

Por transferência bancária: Millennium BCP 0033-0000-45306336596-05.

PROGRAMA

3ª feira 22 MARÇO
18H00 – 20H00
Direção do ICOM e Formadores
Apresentação do curso e da equipa de formação. Apresentação dos participantes
Formador: Xavier Romão
Conceitos básicos de gestão de riscos. Ciclo de gestão de riscos. Perceção e comunicação do risco. Perigos e perigosidade. Exposição aos perigos. Plano de gestão de riscos. Componentes do plano associadas aos riscos do edifício. Componentes do plano associadas aos riscos das coleções. Enquadramento de situações de exceção (exposições temporárias, eventos não regulares, obras). Enquadramento de situações de emergência.
5ª feira 24 MARÇO
18H00 -20H00
Formador: Esmeralda Paupério
Inspeção e manutenção de edifícios-  Prevenção de riscos associados à vulnerabilidade do edifício.  Manutenção preventiva. Intervenções de urgência. Sinais de alerta relacionados com a segurança estrutural. Organização espacial de bens móveis em função da vulnerabilidade do edifício.
3ª feira 29 MARÇO
18H00 -20H00
Formador: Xavier Romão
Medidas de prevenção e mitigação de risco de cheias para património cultural móvel. Medidas de redução dos impactos das cheias. Aspetos mais específicos dos protocolos de evacuação e de proteção in-situ.
5ª feira 31 MARÇO
18H00 -20H00
Formador: Alexandre Martins
Medidas de prevenção e mitigação de risco de incêndio para património cultural móvel. Sistemas para deteção de incêndio. Sistemas para combate a incêndio (manuais e automáticos, técnicas e tecnologias disponíveis). Medidas de proteção contra incêndio. Aspetos específicos dos protocolos de evacuação e de proteção in-situ.
3ª feira 5 ABRIL
18H00 -20H00
Formador: Alexandre Martins
Medidas de prevenção e mitigação de risco de intrusão, vandalismo e furto do património cultural móvel. Sistemas para deteção de intrusão e de controlo de acessos. Sistemas de televigilância. Medidas de proteção para peças especificas. Integração dos sistemas de segurança contra incêndio e intrusão.  Aspetos de compatibilização de protocolos de evacuação para proteção das pessoas (em caso de sinistro) com medidas de proteção patrimonial. O problema da proteção durante o salvamento de património móvel em consequência de sinistros. O problema da proteção do património digitalizado (ciber segurança). 
5ª feira 7 ABRIL
18H00 -20H00
Formador: Cláudia Rodrigues-Carvalho 
Planeamento de atuação em emergência em património cultural. Ações e protocolos previstos preventivamente. Planeamento preliminar, diagnóstico de coleções, capacitação de equipas, simulações e articulação com atores externos. Ações e protocolos durante situações de emergência e/ou sinistros: orientações gerais para segurança de vidas e acervos. Ações e protocolos pós-emergência e/ou sinistros. Diagnósticos de situação, planeamento de intervenções e manejo de danos.Reflexões e planeamentos de médio e longo prazo após emergências/sinistros.
3ª feira 12 ABRIL
18H00 -20H00
Formador: Cláudia Rodrigues-Carvalho
Emergências e catástrofes no Brasil: alguns exemplos. Estudo de caso: O incêndio do Museu Nacional/UFRJ e a atuação da Equipe de Resgate de Acervos.

FORMADORES

Alexandre Ferreira Martins é engenheiro técnico eletrotécnico. Nos últimos 29 anos exerce atividade de projetista e consultor em segurança contra riscos de incêndio em edifícios, instalações elétricas, de telecomunicações e de segurança integrada. Integrou equipes na especialidade se SCIE em projetos para construção nova e reabilitação de diversos edifícios culturais nomeadamente Museus em Portugal (MAC da Fundação de Serralves) e outros países como Brasil (Fundação Iberê Camargo em Porto Alegre e IMS em São Paulo), Suíça (Centre de Recherche et de Conservation des Collections Archéologiques, Paléontologiques et des Sciences Naturelles du Canton du Jura– trabalho em curso), Itália (Piazza Garibaldi em Cantú e Metro de Nápoles Museu e ruinas arqueológicas), Geórgia (Consultadoria para Georgian National Museum), Iraque (Alshaab Stadium, Baghdad), China (MoAE de Ningbo) e Coreia do Sul (Art Pavillion, Saya Park). É membro de organizações profissionais nacionais e internacionais; OET desde 1992; NFPA (AEBO) desde 2005 e SFPE desde 2017.

Claudia Rodrigues-Carvalho é arqueóloga, professora associada e curadora da coleção osteológica humana do setor de antropologia Biológica do Departamento de Antropologia do Museu Nacional/UFRJ. Possui mestrado e doutorado em Saúde Pública, com foco no estudo de saúde e condições de vida de populações pré-históricas. Atua nas áreas de arqueologia, bioantropologia, memória e patrimônio. Foi diretora do Museu Nacional/UFRJ e desde 2018 é coordenadora do Núcleo de Resgate de Acervos, na mesma instituição. É diretora do SIMAP/UFRJ (Sistema de Museus, Acervos e Patrimônio Cultural da UFRJ) unidade ainda em estruturação voltada para a proposição e colaboração na construção de políticas dedicadas à salvaguarda e difusão do patrimônio histórico, científico e artístico da universidade.

Esmeralda Paupério é engenheira civil e integrou durante mais de 20 anos o Núcleo de Reabilitação do Instituto da Construção da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) na área da inspeção, diagnóstico e intervenções de âmbito estrutural em particular na área do património cultural imóvel. Possui o Mestrado em engenharia civil e uma Pós Graduação em pintura mural. Tem trabalhado na área de gestão de riscos do património cultural móvel e imóvel. É docente convidada do Curso Estudos Avançados em Reabilitação do Património Edificado da FEUP. É membro do Conselho de Administração do ICOMOS Portugal, membro do Comité Internacional para a Preparação para o Risco (ICORP) do ICOMOS, membro da UNESCO Roster for Culture in Emergencies e membro convidada do Grémio do Património (GECoRPA).

Xavier Romão é engenheiro civil e Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Desenvolve atividade científica na área da avaliação do risco para múltiplos perigos com aplicações, em particular, a património cultural imóvel e móvel. É vice-presidente do Comité Internacional para a Preparação para o Risco (ICORP) do ICOMOS (International Council on Monuments and Sites), membro da Direção da Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, membro da UNESCO Roster for Culture in Emergencies, e membro da Structural Extreme Events Reconnaissance (StEER) Network.

ORGANIZAÇÃO

ICOM Portugal

PARCEIROS

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

IC – Instituto da Construção / Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Porto

Museu Nacional da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro

SIMAP – Sistemas de Museus, Acervos e Património Cultural da UFRJ

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro

Recomendação do ICOM Brasil, ICOM Moçambique e ICOM Portugal para a utilização do português como língua de trabalho

Posted by on Mar 4, 2022 in Destaques, Notícias | 0 comments

Recomendação do ICOM Brasil, ICOM Moçambique e ICOM Portugal para a utilização do português como língua de trabalho

Os Comités Nacionais do ICOM do Brasil, Moçambique e Portugal subscreveram em conjunto a seguinte recomendação para a atualização do português como língua de trabalho do ICOM, a apresentar na próxima Assembleia Geral do ICOM:

Recomendamos ao Conselho Executivo uma reflexão sobre a importância das comunidades linguísticas. O afunilamento linguístico, protagonizado pelo uso massivo do inglês, empobrece o diálogo, reduz a diversidade e capacidade de comunicação.

Enquanto instituição que tem o seu foco principal na preservação do património cultural, particularmente atenta ao bem estar e sustentabilidade das sociedades, garante de inclusão e igualdade de direitos de acesso e participação, o ICOM não pode descurar a questão linguística.

A língua que falamos não é um simples instrumento, utilizado de forma mecânica para reproduzir o que a mente concebe. Este complexo processo de expressão, traduz a cultura das comunidades que a utilizam, apropriam e garantem a sua evolução no tempo e no espaço.

A adoção de mais uma língua oficial (o espanhol) confirma a importância dada ao tema. A ONU reconhece seis línguas oficiais, mas reconhecemos a dificuldade logística e financeira do ICOM em seguir esta via. Na ONU, o português é considerada uma língua de trabalho e é nesse sentido que gostaríamos de recomendar a reflexão sobre a forma de alargar os recursos linguísticos.

Várias alianças regionais do ICOM têm vindo a afirmar-se em torno de um mesmo idioma (por exemplo, o ICOM Árabe) demonstrando que, mais do que um recurso operativo, a língua é um poderoso instrumento de dinamismo cultural.

Como representantes de Comitês Nacionais de língua portuguesa de três continentes diferentes – África, América e Europa – sabemos a mais valia que tem sido a partilha de um mesmo canal de comunicação – a língua que nos une, muito para além de um código linguístico, é uma mesma matriz de pensamento que facilita os contactos e o trabalho em rede. Alem do fator de união, tem o facto de desde o período de colonização   partilharem muitos aspetos culturais, que sobremaneira ligam os povos e a partilha de uma língua comum,  o  português,  ajuda  nesse  diálogo.

Como ação prática, recomendamos ao Conselho Executivo que o Relatório Anual do ICOM seja também traduzido para o português. Dessa forma, ampliará sobremaneira a disseminação das informações mais relevantes do ICOM junto aos membros e não-membros de países de língua portuguesa, garantindo o acesso e ampliando a participação.

28 de fevereiro 2022

ICOM Brasil

ICOM Mozambique

ICOM Portugal

Para Leitura e Download:

Declaração em defesa do património cultural e dos profissionais de museus na Ucrânia

Posted by on Mar 3, 2022 in Destaques, Notícias | 0 comments

Declaração em defesa do património cultural e dos profissionais de museus na Ucrânia

Na sequência da invasão militar da Federação Russa sobre a Ucrânia, o ICOM Portugal vem manifestar a sua total solidariedade para com os cidadãos ucranianos, demonstrando particular preocupação em relação à segurança dos profissionais de museus bem como das ameaças que possam ocorrer ao património cultural desse país.

Anteriormente já nos associámos à Declaração do ICOM Europa, esperando que exista uma consciência por parte dos governantes de ambos os países, enquanto estados assinantes da Convenção da Haia de 1954 para a Proteção dos Bens Culturais em caso de conflito armado, que cumpram com as suas obrigações legais internacionais de proteção do património.

O ICOM Portugal mostra-se também apreensivo em relação as consequências deste conflito nos museus da Ucrânia, recordando que, tal como aconteceu noutros países vítimas de guerra, ocorrem, infeliz e frequentemente, situações de contrabando e venda ilegal de bens culturais espoliados. Lembrando que todos os governos nacionais devem estar atentos para esta situação munindo-se legalmente da Convenção de 1970 sobre a Exportação e a Transferência de Propriedade Ilícita de Bens Culturais e do Convénio UNIDROIT de 1995 de Bens Culturais Roubados ou Exportados Ilicitamente.

Tal como o ICOM Europa, o ICOM Portugal apresenta também a sua total disponibilidade para, em estreita colaboração com os profissionais de museus ucranianos, apoiar, dentro das suas possibilidades, na salvaguarda do património cultural à guarda nos museus da Ucrânia.

Lisboa, 2 de março 2022

A Direção do ICOM Portugal

O PODER DOS MUSEUS – Jornadas da Primavera 2022

Posted by on Fev 24, 2022 in Destaques, Notícias | 3 comments

O PODER DOS MUSEUS – Jornadas da Primavera 2022

O Poder dos Museus, em consonância com o tema do Dia Internacional dos Museus 2022, é o mote das próximas Jornadas da Primavera do ICOM Portugal, no Palácio Nacional da Ajuda, no dia 14 de março 2022.

PROGRAMA

10h00

MARIA DE JESUS MONGE

Boas vindas e abertura

10H20

JOHN FALK

The Power of Museums is the Enhanced Well-Being they Create

The talk will focus on how museum professionals can better understand and explain the benefits created by museum experiences. Knowingly or not, the business of museums has always been to support and enhance the public’s personal, intellectual, social and physical well-being. Over the years, museums have excelled at this task, as evidenced by the almost indelible memories museum experiences engender. People report that museum experiences make them feel better about themselves, more informed, happier, healthier and more enriched; all outcomes directly related to enhanced well-being. Historically, benefits such as enhanced well-being were seen as vague and intangible, but Falk will describe how enhanced well-being, when properly conceptualized, can be defined and measured. The talk will conclude with suggestions for how these insights about well-being might be used as a strategy for helping museums better adapt to the rapidly changing and challenging times ahead.

11H00 Pausa Café

11H20

NUNO CRATO

O Poder dos Museus: Um cientista visita um museu

Uma visita a um museu, mesmo que a atenção se detenha apenas numa peça, pode despertar no visitante interrogações, ideias e conexões. Pode mesmo inspirá-lo a tentar criar algo. Nesta pequena palestra, relato uma visita a um respeitável instituto que tinha em exibição uma peça científica histórica. Essa visita intrigou-me e levou-me a estudar a história do objeto. Essa história ensinou-me muitas coisas que desconhecia e acabou por me despertar para uma ideia que, em conjunto com colegas estatísticos, levou à criação de um método novo de tratamento de dados.

12h00

PATRÍCIA REMELGADO

O Poder dos Museus: contributos para a transição digital

A experiência dos últimos meses, colocou-nos perante desafios improváveis, não só de ordem pessoal, mas também de carácter coletivo e que envolveram, inevitavelmente, as instituições culturais. O Património Cultural, nomeadamente os Museus e os Monumentos, viram as suas portas encerrarem ao longo de várias semanas, mas, também, muitas janelas virtuais se abriram, criando novas oportunidades de comunicação com os públicos, mesmo que num outro formato e utilizando novas ferramentas. O poder dos museus e dos seus profissionais em reagir perante uma situação extrema e, simultaneamente, inesperada é por todos reconhecida. Um pouco por todo o mundo, os museus promoveram iniciativas que, visaram, não só manter a sua ligação com os públicos, mas também incentivar a criação de dinâmicas participativas e colaborativas, procurando assim, manter a sua “pegada digital”. A experiência digital, efusivamente propalada ao longo dos últimos meses, assumiu-se como um importante instrumento de mediação, cuja relevância não se esgotou no período de confinamento, mas que assumiu durante este tempo um papel essencial: sublinhou a importância da transformação digital, não como um episódio esporádico, mas como um processo que se pretende estratégico e devidamente estruturado e onde a capacitação dos profissionais assume uma particular relevância.  O “Poder dos Museus” é o mote da edição de 2022 do Dia Internacional dos Museus, nomeadamente o papel que desempenham num mundo em mudança, a sua capacidade de adaptação e, simultaneamente, o seu carácter transformador junto da comunidade, contribuindo para a sua formação e lazer e, concomitantemente, promovendo a cooperação e a participação ativa e o desenvolvimento da identidade individual e coletiva. 

12H40

DEBATE

13H30

ENCERRAMENTO

Inscrição obrigatória: info@icom-portugal.org. A participação é limitada à lotação da sala.

Assembleia Geral — Sessão Ordinária – 14 de março 2022

Posted by on Fev 15, 2022 in Destaques, Notícias | 0 comments

Assembleia Geral — Sessão Ordinária – 14 de março 2022

Convocatória

Nos termos da lei e dos estatutos, convoco a Assembleia Geral da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM para reunir em Sessão Ordinária, no próximo dia 14 de março 2022, pelas 15h00, no Palácio Nacional da Ajuda, Ala Sul, 2º andar, Largo da Ajuda, em Lisboa, com a seguinte Ordem de Trabalhos:

1. Apreciação, discussão e votação do Relatório e Contas referentes ao exercício de 2021, acompanhado do Parecer do Conselho Fiscal — já disponíveis para consulta no site do ICOM Portugal

2. Balanço do ano de 2021

3 – Plano para 2022

4 – Informações e outros assuntos de interesse associativo

Não havendo número suficiente de membros para deliberar em primeira convocação, a Assembleia, de acordo com os Estatutos, reunirá meia hora depois com qualquer número de presenças e com a mesma Ordem de Trabalhos.

Lisboa, 3 de janeiro de 2022

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Joaquim Oliveira Caetano

ALTERAÇÃO À CONVOCATÓRIA

Informam-se os participantes na Assembleia Geral – Sessão Ordinária da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM, convocada para o próximo dia 14 de março, pelas 15h00, no Palácio Nacional da Ajuda, Ala Sul, 2º andar, Largo da Ajuda, em Lisboa, que no ponto 4. da Ordem de Trabalhos (Informações e outros assuntos de interesse associativo) deverão ser discutidas e votadas as 5 propostas de definição de Museu que junto se anexam. Esperamos os vossos contributos.

Lisboa, 10 de março de 2022

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Joaquim Oliveira Caetano