Notícias

Exposição O PODER DOS MUSEUS – Paço dos Duques de Bragança – 6 de maio

Posted by on Abr 30, 2022 in Destaques, Notícias | 0 comments

Exposição O PODER DOS MUSEUS – Paço dos Duques de Bragança – 6 de maio

O Paço dos Duques de Bragança acolhe a exposição O PODER DOS MUSEUS a qual vem na sequência de um convite do ICOM Portugal a dois artistas plásticos, Isabel Almeida Garrett e Vasco Araújo que contribuíram com trabalhos seus para os boletins do ICOM de julho de 2020 e dezembro de 2021, respetivamente.

As esculturas do Vasco Araújo a as pinturas de Isabel Almeida Garrett  estão instaladas em várias salas do Paço dos Duques em diálogo com a coleção permanente. Obras que não se cruzam pois partem de paradigmas diferentes, do imaginário, da influência literária e teatral próprias de cada um dos artistas.

A intenção desta exposição é introduzir a Arte Contemporânea no  percurso expositivo do Paço contribuindo assim para promover a convivência das várias sensibilidades culturais potenciadoras de  conhecimento e da aproximação de diferentes públicos.

Os artistas convidados:

ISABEL ALMEIDA GARRETT 

Nasceu em Lisboa, em 1959. De 1986 a 1989 estuda Design de Moda no CITEX – Centro de Formação  
Profissional da Indústria Têxtil. Trabalha neste campo até 1998, ano em que lhe é concedida uma bolsa para estudar pintura no AR.CO – uma escola de Arte independente, em Lisboa, e desde então dedica-se a tempo inteiro à pintura. Em 2011 participa numa Exposição Coletiva na Galeria Quadrado Azul, em  Lisboa. Expõe individualmente em 2013 na Fundação Champalimaud em Lisboa e em 2014 no Palacete Visconde de Balsemão, com o apoio da Câmara do Porto. Em 2015 esteve representada na ArtGenève através da  SSArt. Em 2016 participa numa Exposição Colectiva na Bonhams, em Lisboa e individualmente na Casa-Museu Medeiros e Almeida. Em 2018, participa na Colectiva 9:6 da Ocupart também em Lisboa, seguindo-se em 2019 a mostra individual “A porta ao lado é aqui que eu moro” na   Casa-Museu Vieira da Silva e no laboratório do Museu Nacional da História Natural e da Ciência. FB: www.facebook.com/artistaisabelgarrett / IG: @isabelalmeidagarrett
 
VASCO ARAÚJO 

Nasceu em Lisboa, em 1975. Concluiu a licenciatura em Escultura pela FBAUL, frequentou o Curso   Avançado de Artes Plásticas da Maumaus em Lisboa. Integrou ainda programas de residências, como Récollets (2005), Paris; Core Program (2003/04), Houston. Em 2003 recebeu o Prémio EDP Novos Artistas, Portugal. Desde então tem participado em diversas exposições individuais e colectivas tanto nacional como internacionalmente: “Momento à parte”, MAAT – Fundação EDP, Lisboa, Portugal (2019); Vasco Araújo”, M-Museum, Leuven, Belgica, (2018); “Decolonial desires”, Autograph ABP, Londres, U.K. (2016); “Potestad”, MALBA – Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina.(2015) “Under the Influence of Psyche”, The Power Plant, Toronto (2014); “Debret”, Pinacoteca do   Estado de S. Paulo, S. Paulo (2013); “Eco” Jeu de Paume, Paris (2008); “Em Vivo Contacto”, 28º Bienal de S. Paulo, São Paulo (2008); “Experience of Art”; La Biennale di Venezia. 51th International Exhibition of Art, Veneza (2005); “The World Maybe Fantastic” Biennale of Sydney (2002), Sydney. O seu trabalho está publicado em vários livros e catálogos e  representado em várias coleções, públicas e privadas. Site: www.vascoaraujo.org
  

ICOM Portugal recebido em audiência pela Secretária de Estado da Cultura

Posted by on Abr 21, 2022 in Destaques, Notícias | 0 comments

ICOM Portugal recebido em audiência pela Secretária de Estado da Cultura

A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM foi hoje, 20 de Abril, recebida pela Secretária de Estado da Cultura, Doutora Isabel Cordeiro.  Abordámos os temas que mais preocupam museus e profissionais de museu, nomeadamente o não cumprimento da legislação em vigor na área do património cultural, e mais especificamente dos museus.

O ponto de situação relativamente às dificuldades operacionais da Direção-geral do Património Cultural foi aprofundado no respeitante à não implementação do decreto-lei da autonomia, à paralisia da Rede Portuguesa de Museus, à falta de capacidade de resposta a vários níveis. Reforçámos a necessidade de uma reformulação profunda, que responda aos desafios atuais da sociedade em geral e deste setor que tem grandes insuficiências diagnosticadas.  

Como não podia deixar de ser, manifestámos a preocupação com a não renovação das equipas dos museus, a todos os níveis: técnicos operacionais, técnicos profissionais e técnicos superiores. O fim das carreiras específicas, as aposentações, a falta de atratividade e a progressiva desadequação face às exigências contemporâneas, têm fragilizado os recursos humanos em extremo. O modelo atual não resolve os problemas que têm vindo a avolumar-se, urge assim encontrar soluções.

A Doutora Isabel Cordeiro conhece profundamente a área e assegurou a vontade de diálogo e  colaboração para tentar resolver os muitos desafios que os museus enfrentam.   

A direção do ICOM Portugal

20 de abril 2022 

BOLSAS ICOM Portugal 2022. Participação na 26ª Conferência Geral do ICOM – Praga

Posted by on Mar 21, 2022 in Destaques, Notícias | 0 comments

BOLSAS ICOM Portugal 2022. Participação na 26ª Conferência Geral do ICOM – Praga

REGULAMENTO

ÂMBITO 

O Fundo de Bolsas ICOM Portugal destina-se a estimular a participação dos seus membros associados em conferências, cursos, estágios ou intercâmbios, relacionados com as diversas funções museológicas.

Em 2022, o Fundo de Bolsas ICOM Portugal destina-se exclusivamente à participação dos seus membros na 26ª Conferência Geral do ICOM que terá lugar em Praga, entre os dias 20 e 28 de agosto 2022, com apresentação obrigatória de uma comunicação num painel dos Comités Internacionais.

AS BOLSAS

Serão atribuídas 5 bolsas.

O valor da bolsa, destinado a cobrir parte das despesas associadas, será de 900,00€.

PRAZOS

Submissão das candidaturas: 21 de março a 8 de maio 2022

Comunicação dos resultados finais15 de maio 2022

QUEM PODE CONCORRER

Os candidatos devem obedecer aos seguintes critérios de elegibilidade:

1. Ser membro individual – regular ou estudante – do ICOM Portugal e ter em dia as quotas do ICOM referentes aos anos de 2021 e 2022.

2. Ter comprovativo de inscrição ou de aceitação na 26ª Conferência Geral do ICOM, por parte do Comité Internacional organizador.

As candidaturas serão avaliadas tendo em conta o mérito e qualidade da candidatura bem como a importância estratégica da comunicação que pretendem apresentar para o desenvolvimento dos museus em Portugal.

Para uma melhor distribuição dos recursos, serão privilegiados candidatos que não tenham obtido bolsas do ICOM Portugal ou do ICOM Internacional em anos anteriores. 

A bolsa do ICOM Portugal não poderá ser acumulável com outro subsídio atribuído por um Comité Internacional.

Serão igualmente privilegiados candidatos que não tenham acesso a outro tipo de bolsas.

COMO CONCORRER

Todas as candidaturas são feitas por via eletrónica – info@icom-portugal.org – e devem ser acompanhadas da seguinte documentação:

a) Formulário de candidatura corretamente preenchido e assinado, acessível em www.icom-portugal.org;

b) Carta de motivação, explicitando porque deseja participar na conferência e resultados esperados (máximo 500 palavras);

c) Curriculum Vitae mencionando formação, experiência profissional e funções atuais (máximo uma página);

d) Resumo dos conteúdos da comunicação a apresentar na 26ª Conferência Geral do ICOM;

e) Comprovativo de aceitação na 26ª Conferência Geral do ICOM;

f) Orçamento estimativo global associado à participação na Conferência;

g) Indicação se concorre a outra bolsa para os mesmos fins.

Os recursos deste Fundo são limitados e o ICOM Portugal apela aos candidatos que obedeçam aos critérios de elegibilidade e entreguem toda a documentação solicitada.

COMPROMISSO

O subsídio será depositado diretamente na conta bancária do bolseiro e este deverá entregar, até trinta dias após a realização da Conferência, os documentos abaixo mencionados:

a) Comprovativo de participação na 26ª Conferência Geral do ICOM;

b) Relatório circunstanciado, incluindo comprovativo de despesas.

JÚRI

O júri é composto por: 

– Alexandre Matos (Sistemas do Futuro, ICOM Portugal, CIDOC-ICOM International Committee for Documentation)

– António Ponte (Museu Nacional Soares dos Reis, ICOM Portugal, DEMHIST – International Committee for Historic House Museums)

– Marta Lourenço (Museus da Universidade de Lisboa, ICOM Portugal, UMAC – ICOM International Committee for University Museums and Collections)

SUBMISSÕES E INFORMAÇÕES

Por via eletrónica – info@icom-portugal.org

Indicar no assunto: Bolsas ICOM Portugal

DOCUMENTOS

Nota: Política de privacidade e proteção de dados pessoais

De acordo com o disposto no Regulamento (EU) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho – Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD) – e restante legislação nacional aplicável em matéria de privacidade e proteção de dados, em especial, a Lei no 58/2019, de 8 de agosto, a recolha e tratamento dos dados pessoais inerentes às candidaturas destina-se exclusivamente   aos   fins   indicados, sendo   os   mesmos   eliminados   pelo ICOM Portugal após o termo da iniciativa a que digam respeito, no quadro da política de privacidade e proteção de dados pessoais.

Gestão de Riscos em Património Cultural. Curso de Formação.

Posted by on Mar 8, 2022 in Destaques, ICOM Portugal, Notícias | 4 comments

Gestão de Riscos em Património Cultural. Curso de Formação.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS – 14.03

ONLINE – PLATAFORMA ZOOM

7 SESSÕES, 22 DE MARÇO A 12 DE ABRIL 2022

INSCRIÇÃO obrigatória (até 20 de março):

info@icom-portugal.org

PREÇO: 25,00 euros (sócios do ICOM) / 50,00 euros (não sócios).

Por transferência bancária: Millennium BCP 0033-0000-45306336596-05.

PROGRAMA

3ª feira 22 MARÇO
18H00 – 20H00
Direção do ICOM e Formadores
Apresentação do curso e da equipa de formação. Apresentação dos participantes
Formador: Xavier Romão
Conceitos básicos de gestão de riscos. Ciclo de gestão de riscos. Perceção e comunicação do risco. Perigos e perigosidade. Exposição aos perigos. Plano de gestão de riscos. Componentes do plano associadas aos riscos do edifício. Componentes do plano associadas aos riscos das coleções. Enquadramento de situações de exceção (exposições temporárias, eventos não regulares, obras). Enquadramento de situações de emergência.
5ª feira 24 MARÇO
18H00 -20H00
Formador: Esmeralda Paupério
Inspeção e manutenção de edifícios-  Prevenção de riscos associados à vulnerabilidade do edifício.  Manutenção preventiva. Intervenções de urgência. Sinais de alerta relacionados com a segurança estrutural. Organização espacial de bens móveis em função da vulnerabilidade do edifício.
3ª feira 29 MARÇO
18H00 -20H00
Formador: Xavier Romão
Medidas de prevenção e mitigação de risco de cheias para património cultural móvel. Medidas de redução dos impactos das cheias. Aspetos mais específicos dos protocolos de evacuação e de proteção in-situ.
5ª feira 31 MARÇO
18H00 -20H00
Formador: Alexandre Martins
Medidas de prevenção e mitigação de risco de incêndio para património cultural móvel. Sistemas para deteção de incêndio. Sistemas para combate a incêndio (manuais e automáticos, técnicas e tecnologias disponíveis). Medidas de proteção contra incêndio. Aspetos específicos dos protocolos de evacuação e de proteção in-situ.
3ª feira 5 ABRIL
18H00 -20H00
Formador: Alexandre Martins
Medidas de prevenção e mitigação de risco de intrusão, vandalismo e furto do património cultural móvel. Sistemas para deteção de intrusão e de controlo de acessos. Sistemas de televigilância. Medidas de proteção para peças especificas. Integração dos sistemas de segurança contra incêndio e intrusão.  Aspetos de compatibilização de protocolos de evacuação para proteção das pessoas (em caso de sinistro) com medidas de proteção patrimonial. O problema da proteção durante o salvamento de património móvel em consequência de sinistros. O problema da proteção do património digitalizado (ciber segurança). 
5ª feira 7 ABRIL
18H00 -20H00
Formador: Cláudia Rodrigues-Carvalho 
Planeamento de atuação em emergência em património cultural. Ações e protocolos previstos preventivamente. Planeamento preliminar, diagnóstico de coleções, capacitação de equipas, simulações e articulação com atores externos. Ações e protocolos durante situações de emergência e/ou sinistros: orientações gerais para segurança de vidas e acervos. Ações e protocolos pós-emergência e/ou sinistros. Diagnósticos de situação, planeamento de intervenções e manejo de danos.Reflexões e planeamentos de médio e longo prazo após emergências/sinistros.
3ª feira 12 ABRIL
18H00 -20H00
Formador: Cláudia Rodrigues-Carvalho
Emergências e catástrofes no Brasil: alguns exemplos. Estudo de caso: O incêndio do Museu Nacional/UFRJ e a atuação da Equipe de Resgate de Acervos.

FORMADORES

Alexandre Ferreira Martins é engenheiro técnico eletrotécnico. Nos últimos 29 anos exerce atividade de projetista e consultor em segurança contra riscos de incêndio em edifícios, instalações elétricas, de telecomunicações e de segurança integrada. Integrou equipes na especialidade se SCIE em projetos para construção nova e reabilitação de diversos edifícios culturais nomeadamente Museus em Portugal (MAC da Fundação de Serralves) e outros países como Brasil (Fundação Iberê Camargo em Porto Alegre e IMS em São Paulo), Suíça (Centre de Recherche et de Conservation des Collections Archéologiques, Paléontologiques et des Sciences Naturelles du Canton du Jura– trabalho em curso), Itália (Piazza Garibaldi em Cantú e Metro de Nápoles Museu e ruinas arqueológicas), Geórgia (Consultadoria para Georgian National Museum), Iraque (Alshaab Stadium, Baghdad), China (MoAE de Ningbo) e Coreia do Sul (Art Pavillion, Saya Park). É membro de organizações profissionais nacionais e internacionais; OET desde 1992; NFPA (AEBO) desde 2005 e SFPE desde 2017.

Claudia Rodrigues-Carvalho é arqueóloga, professora associada e curadora da coleção osteológica humana do setor de antropologia Biológica do Departamento de Antropologia do Museu Nacional/UFRJ. Possui mestrado e doutorado em Saúde Pública, com foco no estudo de saúde e condições de vida de populações pré-históricas. Atua nas áreas de arqueologia, bioantropologia, memória e patrimônio. Foi diretora do Museu Nacional/UFRJ e desde 2018 é coordenadora do Núcleo de Resgate de Acervos, na mesma instituição. É diretora do SIMAP/UFRJ (Sistema de Museus, Acervos e Patrimônio Cultural da UFRJ) unidade ainda em estruturação voltada para a proposição e colaboração na construção de políticas dedicadas à salvaguarda e difusão do patrimônio histórico, científico e artístico da universidade.

Esmeralda Paupério é engenheira civil e integrou durante mais de 20 anos o Núcleo de Reabilitação do Instituto da Construção da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) na área da inspeção, diagnóstico e intervenções de âmbito estrutural em particular na área do património cultural imóvel. Possui o Mestrado em engenharia civil e uma Pós Graduação em pintura mural. Tem trabalhado na área de gestão de riscos do património cultural móvel e imóvel. É docente convidada do Curso Estudos Avançados em Reabilitação do Património Edificado da FEUP. É membro do Conselho de Administração do ICOMOS Portugal, membro do Comité Internacional para a Preparação para o Risco (ICORP) do ICOMOS, membro da UNESCO Roster for Culture in Emergencies e membro convidada do Grémio do Património (GECoRPA).

Xavier Romão é engenheiro civil e Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Desenvolve atividade científica na área da avaliação do risco para múltiplos perigos com aplicações, em particular, a património cultural imóvel e móvel. É vice-presidente do Comité Internacional para a Preparação para o Risco (ICORP) do ICOMOS (International Council on Monuments and Sites), membro da Direção da Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, membro da UNESCO Roster for Culture in Emergencies, e membro da Structural Extreme Events Reconnaissance (StEER) Network.

ORGANIZAÇÃO

ICOM Portugal

PARCEIROS

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

IC – Instituto da Construção / Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Porto

Museu Nacional da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro

SIMAP – Sistemas de Museus, Acervos e Património Cultural da UFRJ

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro

Recomendação do ICOM Brasil, ICOM Moçambique e ICOM Portugal para a utilização do português como língua de trabalho

Posted by on Mar 4, 2022 in Destaques, Notícias | 0 comments

Recomendação do ICOM Brasil, ICOM Moçambique e ICOM Portugal para a utilização do português como língua de trabalho

Os Comités Nacionais do ICOM do Brasil, Moçambique e Portugal subscreveram em conjunto a seguinte recomendação para a atualização do português como língua de trabalho do ICOM, a apresentar na próxima Assembleia Geral do ICOM:

Recomendamos ao Conselho Executivo uma reflexão sobre a importância das comunidades linguísticas. O afunilamento linguístico, protagonizado pelo uso massivo do inglês, empobrece o diálogo, reduz a diversidade e capacidade de comunicação.

Enquanto instituição que tem o seu foco principal na preservação do património cultural, particularmente atenta ao bem estar e sustentabilidade das sociedades, garante de inclusão e igualdade de direitos de acesso e participação, o ICOM não pode descurar a questão linguística.

A língua que falamos não é um simples instrumento, utilizado de forma mecânica para reproduzir o que a mente concebe. Este complexo processo de expressão, traduz a cultura das comunidades que a utilizam, apropriam e garantem a sua evolução no tempo e no espaço.

A adoção de mais uma língua oficial (o espanhol) confirma a importância dada ao tema. A ONU reconhece seis línguas oficiais, mas reconhecemos a dificuldade logística e financeira do ICOM em seguir esta via. Na ONU, o português é considerada uma língua de trabalho e é nesse sentido que gostaríamos de recomendar a reflexão sobre a forma de alargar os recursos linguísticos.

Várias alianças regionais do ICOM têm vindo a afirmar-se em torno de um mesmo idioma (por exemplo, o ICOM Árabe) demonstrando que, mais do que um recurso operativo, a língua é um poderoso instrumento de dinamismo cultural.

Como representantes de Comitês Nacionais de língua portuguesa de três continentes diferentes – África, América e Europa – sabemos a mais valia que tem sido a partilha de um mesmo canal de comunicação – a língua que nos une, muito para além de um código linguístico, é uma mesma matriz de pensamento que facilita os contactos e o trabalho em rede. Alem do fator de união, tem o facto de desde o período de colonização   partilharem muitos aspetos culturais, que sobremaneira ligam os povos e a partilha de uma língua comum,  o  português,  ajuda  nesse  diálogo.

Como ação prática, recomendamos ao Conselho Executivo que o Relatório Anual do ICOM seja também traduzido para o português. Dessa forma, ampliará sobremaneira a disseminação das informações mais relevantes do ICOM junto aos membros e não-membros de países de língua portuguesa, garantindo o acesso e ampliando a participação.

28 de fevereiro 2022

ICOM Brasil

ICOM Mozambique

ICOM Portugal

Para Leitura e Download: