Notícias

Nota sobre a Lei do Orçamento de Estado para 2019

Posted by on Dez 3, 2018 in Destaques, Notícias | 0 comments

Nota sobre a Lei do Orçamento de Estado para 2019

Aprovada a Lei do Orçamento do Estado para 2019, a direção do ICOM Portugal saúda algumas das propostas aprovadas, nomeadamente as que preveem a Redução do IVA da Cultura para 6%, uma Carta de Risco com vista à proteção e salvaguarda do Património, a criação do Plano de Revitalização da Cinemateca e do ANIM e, acima de tudo, a reativação do Programa de Apoio a Museus da Rede Portuguesa de Museus – ProMuseus.

São ainda de assinalar as referências ao projecto museológico da Fortaleza de Peniche e à necessidade de garantir a sustentabilidade do Museu Nacional Ferroviário.

A direcção do ICOM Portugal,
Lisboa, 3 de Dezembro de 2018.

Workshop do ICAMT em Milão – Inscrições Abertas

Posted by on Nov 20, 2018 in Destaques, Notícias | 0 comments

Workshop do ICAMT em Milão – Inscrições Abertas

O ICAMT – Comitê Internacional de Arquitetura e Técnicas de Museus do ICOM – Conselho Internacional de Museus, organiza o seu terceiro Workshop sobre Arquitetura e Técnicas Museográficas (Workshop Architecture and Museum Techniques). O primeiro deles ocorreu em São Paulo, em 2016, o segundo em Lisboa, Portugal, em 2018, e a terceira edição será em Milão, na Itália, de 28 de janeiro a 1 de fevereiro de 2019.

O Workshop conta com a colaboração de várias organizações. Será realizado no Auditório do Palazzo Reale, no Politecnico de Milano, na Ordem dos Arquitetos de Milão – e também em vários museus.

 

OS TEMAS ABORDADOS SERÃO:

  1. Sustentabilidade e gerenciamento de museus
  2. Conceito de exposições e design thinking
  3. Impacto da avaliação sobre o controle climático de exposições e edifícios de museus
  4. Reservas técnicas

 

PROGRAMA

O programa detalhado estará disponível assim que todos os palestrantes e visitas estejam confirmados.

 

METODOLOGIA

Trabalharemos neste Workshop com Maddalena D’Alfonso, arquiteta especializada na divulgação de Design de Exposições, que, nos seus 15 anos de carreira acadêmica, desenvolveu uma metodologia inspirada no conceito de coopetição – um neologismo que designa uma estratégia baseada em teorias de interdependência social e em jogos, que busca combinar as características tanto da cooperação quanto da competição.

No período da manhã ouviremos os palestrantes nacionais e internacionais, após o almoço realizaremos trabalhos em grupo coordenados por D’Alfonso, e em seguida faremos visitas técnicas às seguintes instituições: Fondazione Prada, Castello Sforzesco, Cenacolo Vinciano, Pinacoteca Ambrosiana, Museu del 900, Pinacoteca Nazionale di Brera, Galleria D’Arte Moderna e Fondazione Boschi di Stefano.

 

LÍNGUA OFICIAL

A língua oficial do evento será o inglês e haverá tradução simultânea do italiano para o inglês.

 

PARA MAIS DETALHES E INFORMAÇÕES SOBRE INSCRIÇÕES E TAXAS, VISITE O SITE DO ICAMT:

http://network.icom.museum/icamt/workshops/2019-milano-italy/

 

A organização do evento está a cargo de Alessandra Labate Rosso (icamt2019.workshopmilano@gmail.com), membro do Conselho Internacional do ICAMT, e conta com a colaboração dos demais membros do Conselho.

Programa Internacional de bolsas ICOM Getty 2019 – Chamada para candidaturas

Posted by on Out 25, 2018 in Destaques, Notícias | 0 comments

Programa Internacional de bolsas ICOM Getty 2019 – Chamada para candidaturas

O ICOM e a Fundação Getty juntam-se, ma vez mais, para proporcionar a jovens membros activos do ICOM oriundos de países de economias emergentes bolsas para participarem na 25ª Conferência Trienal do ICOM que se irá realizar entre os dias 1 e 7 de Setembro de 2019, em Kyoto, Japão.

O Conselho Internacional de Museus (ICOM) e o Comité Organizador da Conferência Internacional de Kyoto 2019 agradecem o apoio da Fundação Getty para trazer participantes de países de economias emergentes para, através do Programa “ICOM Getty International”, possibilitar a aproximadamente 25 membros do ICOM a participação neste enriquecedor evento internacional sob o tema “Museus como centros culturais: o futuro da tradição”. Estes membros do ICOM terão, portanto, a oportunidade de fazer novos contatos e desenvolver sua capacidade e conhecimento, e compartilhar com colegas dos países de origem a experiência adquirida no Japão.

Graças a este Programa, os candidatos aprovados receberão a passagem aérea (ida e volta em classe económica), o alojamento num hotel de 2 estrelas ou equivalente e uma provisão fixa para vistos e outras despesas elegíveis.

Toda a informação está disponível, para os membros do ICOM, através do site institucional do ICOM, no seguinte link de acesso reservado: https://icom.museum/en/member/apply-for-grant/

As candidaturas estão abertas até ao próximo dia 31 de Outubro.

Encontro de Outono 2018 – Museus: os desafios da autonomia

Posted by on Out 19, 2018 in Destaques, Notícias | 0 comments

Encontro de Outono 2018 – Museus: os desafios da autonomia

Decorreu no passado dia 15 de Outubro, a jornada de reflexão promovida pelo ICOM Portugal em torno do tema que está na ordem do dia: os desafios da autonomia dos museus.

O painel de oradores incluiu um leque variado de profissionais de museu, com experiências distintas e reflexão amadurecida sobre a evolução das instituições museológicas e as perspetivas  de alteração do quadro administrativo vigente.

A abertura esteve a cargo do Presidente do ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro, e da diretora do MNMC, Ana Alcoforado.

Alberto Garlandini, vice-Presidente do ICOM Internacional e antigo Presidente do ICOM Itália, resumiu os desafios que enfrentam atualmente os museus em todo o mundo  e apresentou o enquadramento legal e  a forma como a reforma aprovada em 2014 materializa um modelo de autonomia aplicado a 32 dos grandes museus italianos. A experiência relatada é de grande interesse para a discussão em curso, de realçar a colaboração estreita com o ICOM, concretizada no articulado da legislação que consagra definições e procedimentos por ele aconselhados.

Os intervenientes seguintes abordaram a realidade nacional sob diversas perspectivas:

Nuno Vassallo e Silva, antigo diretor-geral da DGPC desenvolveu a evolução da ideia de autonomia administrativa e financeira para os museus nacionais nos últimos anos e considerou que a proposta em análise é resultado de uma política conjuntural e não responde aos grandes desafios que as instituições de património enfrentam.

Maria João Vasconcelos lembrou o percurso dos museus nas últimas décadas, constatando a deterioração ao longo das décadas, que retirou progressivamente aos museus capacidade de gestão e desenvolvimento das atividades que os desafios crescentes da sociedade contemporânea vêm colocando. O modelo atual da DGPC, repetindo uma fórmula concebida há mais de 30 anos, não pode assim responder às necessidades atuais.

Agostinho Ribeiro considerando embora a necessidade de reflexão e mudança do quadro atual, abordou vários aspetos que necessitam revisão na proposta de autonomia. Configurando um instrumento de implementação da descentralização já aprovada, o documento não tem, designadamente, por base uma definição do que são museus nacionais, carece de enquadramento na Lei-Quadro dos Museus em vigor, um bom instrumento normativo infelizmente longe de estar implementado.

Maria da Luz Nolasco falou da autonomia dos museus no duplo sentido da sua gestão orgânica e material, sob a perspetiva da sua vasta experiencia em museus da administração local.  Realçou a importância do trabalho desenvolvido pela Rede Portuguesa de Museus, infelizmente descontinuado dentro da atual tutela administrativa.

O debate moderado por António Carvalho pela manhã e Luís Raposo de tarde contribuiu para realçar aspetos que a todos preocupam:

– A impossibilidade de qualquer autonomia sem recursos financeiros adequados para cumprir as funções museológicas;

– A necessidade de definição do que são museus nacionais, para além da singularidade das coleções e dos respetivos percursos históricos;

– A defesa da unidade territorial no que respeita às instituições de memória, evitando o centralismo;

– A importância do cumprimento e de uma efetiva articulação com a atual Lei-Quadro dos Museus;

– A defesa das competências técnicas, particularmente nos lugares de direção;

– A necessidade de avaliar outras experiências já em curso, designadamente as transferências para outros modelos de gestão (PPP, como a Parques de Sintra ou o projeto das Jóias da Coroa, e passagens para as autarquias locais), e outras áreas da administração pública (escolas, hospitais,…).

Os contributos e discussão resultante foram de grande interesse e a direção do ICOM Portugal solicitou a todos os oradores os respetivos contributos, que serão oportunamente disponibilizados.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Espaços de Memória em contextos museológicos – Seminário Europeu 2019 (Chamada para propostas de artigos)

Posted by on Out 18, 2018 in Destaques, Eventos, Notícias | 0 comments

Espaços de Memória em contextos museológicos – Seminário Europeu 2019 (Chamada para propostas de artigos)

O ICOM Portugal está a organizar, juntamente com o Paço dos Duques, a Direção Regional de Cultura do Norte, o ICOM Europa e os comités internacional e nacional do DEMHIST o Seminário Europeu Espaços de Memória em contextos museológicos (Interpretar, Programar, Inovar) que se realizará, de 2 a 4 de Maio de 2019 no Paço dos Duques, em Guimarães, com o apoio das Câmaras Municipais de Guimarães e Vila Nova de Famalicão.

 

O tema deste seminário, igual ao tema que o ICOM utilizará como mote no próxima reunião trienal em Kyoto, no Japão, é Museus como Núcleos Culturais: o Futuro da Tradição. A organização deste evento apresenta desta forma o tema escolhido:

A Humanidade está em permanente evolução, enfrentando novos limites, equacionando as opções atuais e reagindo através de propostas inovadoras, a relação com a Memória e a Tradição acompanha esta permanente metamorfose.

O traço distintivo da raça humana é a capacidade de criar conhecimento e de o somar ao longo das gerações que vão sucedendo-se, esta característica assenta na Memória, apoiada na Tradição que conforma e enquadra as opções e ações humanas.

Os museus enfrentam o desafio constante de salvaguardar o passado e, simultaneamente, promover a compreensão da evolução de novos significados e interligações, contribuindo para a construção de um futuro melhor e mais inclusivo.

As sociedades atuais são globais, confrontando as instituições de memória com situações novas e inesperadas, mediando um equilíbrio difícil entre usos e costumes ancestrais e novas formas de viver o quotidiano.

O Homem é a medida de todas as coisas, a Sua residência (seja qual for o tamanho ou forma) permite perspetivas privilegiadas de todas as facetas da atividade humana.

O encontro será organizado em três sessões subordinadas aos seguintes temas:

 

Interpretação de espaços de Memória em contextos museológicos

As pessoas valorizam o que conhecem e aprenderam a compreender e estimar. Os espaços de memória são testemunhos palpáveis das tradições, dos personagens e dos factos que acolheram.

O espaço residencial é apreendido instintivamente por quem o visita já que, embora através de diversas perspetivas, responde a necessidades universais, conferindo-lhe uma dimensão familiar.

Contudo, os profissionais de museus sabem que não existem espaços integralmente preservados, o que é transmitido ao visitante é a interpretação decorrente das opções museológicas, bem mais que de quaisquer constrangimentos ditados por necessidades de conservação e segurança.

Quais deverão ser os limites, até onde podemos ir? Quais são as responsabilidades dos profissionais de museu e como podem assumir estes desafios?

Programação de espaços de Memória em contextos museológicos

Os museus não são mais belas adormecidas, intocadas pela passagem do tempo, oferecendo ao visitante uma realidade congelada no tempo e no espaço. Os profissionais de museu têm de manter as instituições vivas, propondo programas que, através da promoção da curiosidade e do debate, induzam a construção de perspetivas alternativas.

O papel dos museus nas sociedades contemporâneas é medido pela sua capacidade para, apoiados na Memória e na Tradição, fornecer soluções para contribuir para a diversidade natural e compreensão da complexificação constante da sociedade atual, promovendo a coesão social pela aprendizagem e o conhecimento.

Inovar em espaços de Memória em contextos museológicos

Os museus que têm por objeto trabalhar a memória e a tradição a partir de espaços residenciais

são frequentemente considerados imóveis, por vocação e respeito pelo conjunto constituído pelo contentor/casa, conteúdo/coleções e personagem/personagens que evocam.

Como é possível inovar sem trair o legado e a tradição que materializa? Como podemos dar vida à memória introduzindo novas perspetivas?

 

Chamada para propostas de comunicação

As propostas de comunicação devem ser enviadas para icom.seminar2019@gmail.com até ao próximo dia 30 de Dezembro de 2018.

Esclarecimentos e inscrição podem ser feitos através do e-mail icom.seminar2019@gmail.com.

Programa

O programa do seminário está disponível em Português e Inglês.